Esports - Jogadores Afastados

Após uma investigação aprofundada sobre vários jogadores de várias regiões, foi concluído que um total de 10 jogadores profissionais estão banidos do PUBG

Jogadores, após uma investigação aprofundada sobre vários jogadores de várias regiões, foi concluído que um total de 10 jogadores profissionais estão banidos do PUBG devido ao uso de programas não autorizados no jogo. A lista dos jogadores mencionados é a seguinte:

  • “Avalon”
  • “Smitty”
  • “Papaya”
  • “Cabecao”
  • “TEXQS”
  • “S1D”
  • “swalker”
  • “zuppaa”
  • “Houlow”
  • “sezk0”
  • “THZ”
  • “Fr_Steph”

TL;DR

  • Após uma extensa investigação dos jogadores presentemente ativos na competição PUBG, descobrimos que 10 destes jogadores receberam bans no jogo devido ao uso de programas não autorizados, programas que são conhecidos por danificar a integridade do PUBG
  • Verificámos que as provas de todos estes bans são conclusivas e que não existe margem para assumir que qualquer destas contas tenha sido roubada ou emprestada durante o uso destes programas
  • De entre os 10 jogadores banidos, os nossos dados indicam também que 6 destes jogadores, usaram os mesmos programas em jogos profissionais
  • Estes 6 jogadores acusados de usar programas ilícitos em jogos profissionais estão efetivamente suspensos durante 3 anos
  • Os 4 jogadores acusados de usar programas ilícitos em jogos públicos estão efetivamente suspensos durante 2 anos
  • Dois outros membros da equipa Sans domicile fixe receberão também uma suspensão de 3 anos pelo conhecimento voluntário do uso destes programas ilícitos pelos seus colegas de equipa durante as Qualificatórias da PEL
  • A equipa Sans domicile fixe perde o seu lugar na Contenders League por este ato ilícito. No entanto, a organização está autorizada a participar em outros eventos futuros, com uma equipa totalmente nova, pois não foram encontrados indícios do seu conhecimento destes atos ilícitos pelos seus jogadores
  • Os Red Diamonds poderão permanecer na PEL caso substituam o jogador “S1D”. Não temos conhecimento que o jogador “S1D” ou outro qualquer membro de equipa tenha usado programas ilícitos durante as qualificatórias PEL
  • Os Pittsburgh Knights poderão permanecer na PEL caso substituam o jogador “TEXQS”. Os Pittsburgh Knights não jogaram nos jogos de qualificação da PEL pois foram diretamente convidados. Não temos prova que qualquer outro dos seus jogadores tenha usado programas ilícitos num jogo profissional
  •  A partir deste momento, antes de qualquer competição esports oficial, todos os jogadores participantes serão alvo de uma investigação e revisão das suas contas e qualquer jogador com provas significativas de uso de programas ilícitos será suspenso e impedido de competir

Contexto

No dia 19 de Dezembro de 2018, a equipa Esports do PUBG conduziu uma investigação global sobre todos os jogadores profissionais ativos para descobrir potenciais bans no jogo relacionados com o uso de programas ilícitos nas suas contas. Para a elaboração de uma lista destes jogadores, recolhemos informação dos jogadores que competiram no PGI e nos mais recentes eventos de competição PUBG.

Devido ao iminente início da temporada NPL, anunciámos primeiro a suspensão de quatro jogadores da América do Norte e das suas equipas no dia 31 de Dezembro. Podem encontrar o anúncio completo aqui.

Assim, concluímos com o continuar da investigação, que os 10 jogadores já referidos acima, todos tinham sofrido um ban do PUBG devido ao uso de programas ilícitos. Adicionalmente, os nossos dados revelaram que dos 10 jogadores mencionados, pelo menos 6 fizeram uso destes programas em, pelo menos um jogo profissional de PUBG. Passamos a listar estes jogadores abaixo:

  • “Papaya”
  • “Cabecao”
  • “swalker”
  • “zuppaa”
  • “Houlow”
  • “sezk0”

Após investigação mais pormenorizada das equipas que envolvem estes jogadores, descobrimos que dois outros jogadores da equipa Sans domicile fixe, “THZ” e “Fr_Steph”, tinham total conhecimento das atividades ilícitas dos seus companheiros de equipa durante os jogos de qualificação da PEL.

Punições

Para os jogadores “Avalon”, “Smitty”, “TEXQS”, e “S1D” que fizeram uso de programas ilícitos em jogos públicos mas não em jogos profissionais, estes serão suspensos durante 2 anos de todas as competições PUBG com início efetivo no dia 7 de Janeiro de 2019.

Apesar de o período mínimo de suspensão de programas ilícitos seja um ano, este programa em particular é conhecido por danificar severamente a integridade do PUBG. Devido à intenção claramente mal intencionada que advém da natureza deste programa, a suspensão será superior ao mínimo considerado.

Para os jogadores “Papaya”, “Cabecao”, “swalker”, “zuppaa”, “Houlow”, e “sezk0” que fizeram uso de programas ilícitos em jogos públicos mas também em jogos profissionais, estes serão suspensos durante 3 anos de todas as competições PUBG com início efetivo no dia 7 de Janeiro de 2019.

Utilizar cheating numa competição profissional é uma das formas que o jogador mais demonstra total desrespeito pelos seus colegas e assim, vamos penalizar estes jogadores com a pena mais severa que já alguma vez efetuamos. Somos completamente intoleráveis ao uso de cheating em jogos PUBG. Estamos também em contato com organizações responsáveis por torneios PUBG para suspenderem quaisquer entregas de prémios a estes jogadores suspensos.

Para os jogadores “THZ” e “Fr_Steph” estamos também a aplicar uma suspensão de 3 anos de todas as competições PUBG com início efetivo no dia 7 de Janeiro de 2019. Acreditamos que concordar com o uso de atividades ilícitas dos seus colegas, deve ter a mesma penalização do que aqueles que escolhem continuar com essas mesmas atividades.

Todos os jogadores que foram suspensos pela equipa de Esports, deixarão também, efetivamente de ser Parceiro PUBG.

Implicações na PEL

A equipa Sans domicile fixe perderá o seu lugar na Contenders League pois os seus jogadores usaram programas ilícitos durante os jogos de qualificação da PEL. No entanto, a organização está autorizada a participar em eventos futuros pois não existem suspeitas da concordância ou conhecimento da organização nestas atividades. Existirá um lugar adicional nos jogos de qualificação PEL EU West para substituir esta equipa.

Os Red Diamonds permanecem na PEL se substituírem o jogador “S1D”. Não temos conhecimento que o jogador “S1D” ou qualquer outro membro da equipa tenha utilizado programas ilícitos durante os jogos de qualificação da PEL.

Os Pittsburgh Knights permanecem na PEL se substituírem o jogador “TEXQS”. Os Pittsburgh Knights não participaram nos jogos de qualificação da PEL pois foram diretamente convidados a entrar na PEL e não temos conhecimento da utilização de programas ilícitos em qualquer jogo profissional.

Para garantirmos que todos os participantes da Contenders League são convenientemente verificados, as datas da Contenders League foram adiadas em uma semana.

Regras a ter em conta

  • Os jogadores profissionais que são encontrados a utilizar programas ilícitos no jogo e após serem banidos do PUBG, serão suspensos de todas as atividades competitivas durante no mínimo um ano com pena máxima de todo o seu restante tempo de vida.
  • Os jogadores profissionais que são encontrados a utilizar programas ilícitos durante uma competição profissional PUBG, serão suspensos de todas as atividades competitivas durante no mínimo três anos com pena máxima de todo o seu restante tempo de vida.
  • Qualquer organização ou membro de equipa com conhecimento destas atividades efetuadas pelos seus colegas de equipa receberá uma penalização equivalente à dos jogadores que de fato desempenham essas atividades.
  • Todas as suspensões esports têm início na data de conclusão de todas as investigações oficiais.

Anunciaremos futuramente, guias de ajuda para um sistema de penalização global que poderá ser usado por organizações responsáveis por torneios PUBG.

Aviso

A lista anunciada de jogadores não pretende ser exaustiva. Apenas tivemos possibilidade de verificar as competições de maior dimensão em cada região e a escala da nossa investigação não inclui outros torneios passados ou de dimensão relativamente inferior. Adicionalmente, nem todas as contas em nome de todos os jogadores profissionais foram alvo de investigação devido à falta de dados ou provas conclusivas. A maioria dos eventos durante 2018 foram organizados por companhias externas dificultando o acesso a todos os fatos.

No entanto, todos os jogadores que não receberam uma suspensão neste momento mas têm o registo do uso de programas ilícitos nas suas contas será efetivamente impedido de entrar em qualquer competição oficialmente reconhecida pelo PUBG no futuro. Para todas as competições Esports no futuro, obrigaremos a que todos os jogadores apresentem as suas contas para uma verificação detalhada onde poderemos detetar quaisquer bans no passado e determinar a necessidade de existirem ações de suspensão ou não.

Equipa Esports PUBG

Discuss this article
Share this article